Terezinha

 

A HISTÓRIA DO MEU QUINTAL

 

Hoje tirei um tempinho para observar meu quintal e ver se tem alguma coisa para ser retirada e dar uma limpada no local, então fiquei muito tempo ali, observando uma coisa e outra, aí me lembrei da história de uma planta bem especial que tem no meu quintal. Vou falar um pouco sobre ela.

 

Logo quando eu comprei meu lote existia uma casa de cupim enorme naquele lugar e ninguém conseguia acabar com eles, faziam de tudo mas não iam embora. Um certo dia eu tive que ir ao médico. Como sempre, tem que esperar uma fila enorme, a gente até passa a conhecer várias pessoas. Então eu conheci uma senhorinha, muito simpática, por sinal, e conversa vem, conversa vai, eu comentei sobre a casa de cupim, que eu não sabia mais o que fazer para acabar com eles, então ela me ensinou uma receita muito simples e barata: Mandou eu arrumar uma muda de laranja e plantar no local, com uma semana no máximo não ia ter mais nem um cupim. Eu logo fui, arrumei a muda, plantei e fiquei observando se era verdade. Realmente, a receita funcionou, com uma semana não tinha mais cupim no local.

 

No final da história, aquela muda que eu plantei achando que era laranja era muda de limão capeta, tá lá lindo maravilhoso, dá limão o ano inteiro. Essa foi a história do meu quintal.

 

A HISTÓRIA DO TREM

 

Hoje eu vou falar de uma história que aconteceu com minha tia. Antigamente, quando existia o trem que fazia o Barreiro até Sabará, a maioria das pessoas andava era de trem, a passagem era mais barata do que a do ônibus e também os patrões não davam passagem para os empregados. Então minha tia, coitada, para economizar, levantava às 4 horas da manhã todos os dias para pegar o trem na estação às 5, ela tinha que estar no serviço às 6 horas, e a patroa era daquele tipo que trata empregado como escravo, não podia atrasar nem um minuto.

 

Resumindo, minha tia que andava muito cansada de levantar tão cedo, um dia ela entrou no trem e dormiu e foi parar em Sabará. Teve que esperar outro trem para chegar ao trabalho dar explicação pra patroa, só que patrão nunca quis saber da vida ruim de empregado, no final da história minha tia foi despedida do emprego, por falta de reconhecimento do patrão.

 

Essa é a história.