Gabriel Felipe

 

MEU QUINTAL

 

Na minha casa não tem quintal, mas tem uma pequena varanda. Nessa varanda tem várias plantas, quase todas são orquídeas da minha mãe. Mas em especial tem uma que eu menos odeio, ela tem um caule de 40 a 60 cm de comprimento, tem seis flores e três botões. As flores são brancas, com pintas roxas, no meio dela tem duas pétalas amareladas, quase se fechando. No caule, só na base que tem folhas, ao todo três.

 

Minha mãe comprou essa planta porque, dentre várias, ela se destacou por ser mais bonita.

 

O TREM

 

Era um belo dia de terça-feira, eu e meu pai estávamos a caminho do trem. Quando nós entramos, ele estava vazio, vazio mesmo, tinha umas sete ou oito pessoas apenas. Até que eu vi um idoso, de mais ou menos uns 80 anos, no chão.

 

Eu me aproximei dele e perguntei se ele queria ajuda para levantar e ele respondeu:

 

- Não precisa, meu caro menino. Já estou aqui há horas mesmo e você foi a única pessoa que se importou comigo nesse trem.

 

Eu respondi assim:

 

- Nós, mais novos, temos que seguir o caminho dos mais velhos, pois se nós mesmos escolhermos o nossos caminhos, com toda certeza iremos pegar o caminho errado, e foi por isso que eu ajudei o senhor.

 

O idoso chegou um pouco mais perto de mim e disse:

 

- O mundo está precisando de mais gente como você, gente humilde, bondosa e bastante inteligente. Então, eu já vou indo, chegou o lugar em que vou descer, e não se esqueça garoto, continue sendo assim como você é que você é um bom garoto.

 

Assim falou o idoso.